Novo endereço do nosso site

Novo endereço do nosso site
Feminismo Diabolico

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Taxista grava momento em que passageira tenta seduzi-lo antes de processá-lo por assédio

  Taxista grava momento em que passageira tenta seduzí-lo antes de processá-lo por assédio Homem se negou a cair nas tentações da mulher e usa gravação para se livrar de prisão. Um vídeo explícito entre um taxista e uma passageira está sendo usado em um julgamento de um caso de 2012. A mulher havia entrado com uma ação contra o homem alegando assédio por parte do motorista. O vídeo gravado por Hervey Farrel, de 39 anos em seu próprio taxi mostra que ele fora a vítima da questão. Jennifer Gaubert, de 33 anos, tentou por várias vezes seduzir o motorista enquanto ele a levava até sua casa. O caso ocorreu há dois anos. Durante a corrida, Farrel se nega a ter contato com a mulher e diz ter uma namorada. “Eu tenho uma namorada. Eu amo minha namorada. Sou fiel e dedicado e ela”, comenta. A gravação termina quando a mulher chega em casa e diz: “sua namorada é uma garota de sorte”. A situação, porém, não terminou aí. O advogado Gaubert, acusou o homem de mentir à polícia dizendo que o taxista chantageou e tocou a mulher. Farrel, de 39 anos, foi preso e passou 27 horas na cadeia como resultado das alegações do advogado. Gaubert afirma que o homem tentou extorquir a mulher pedindo US$ 60 mil para não divulgar o vídeo. Por fim, ele queria apenas US$ 1 mil. O Ministério Público do Distrito decidiu não apresentar acusações contra Farrel, e, em vez disso, prender Gaubert por supostas falsas alegações. Farrel também entrou com uma ação civil contra Gaubert. Leia mais em: http://www.techmestre.com/taxista-grava-momento-em-que-passageira-tenta-seduzi-lo-antes-de-processa-lo-por-assedio.html#ixzz2z4f05XsI

Lésbica mata companheira a facadas e joga corpo na rua

Uma crise de ciúmes entre um casal de lésbicas resultou em morte no Bairro Granja Lisboa. Após matar a companheira, a mulher ainda arrastou o corpo da vítima para fora da casa. Wander Gomes esteve no local e tem as informações.
http://www.jangadeiroonline.com.br/

Mulher Britânica confessa ter matado os dois filhos e dormido ao lado dos corpos

Britânica confessa ter matado os dois filhos e dormido ao lado dos corposYahoo! Notícias – ter, 19 de jun de 2012


Imprimir

Lianne Smith confessou ter cometido o crime por medo de perder a guarda de seus filhos (Foto: Reprodução)A britânica Lianne Smith confessou, nesta segunda-feira, ter matado seus dois filhos e dormido ao lado dos corpos em um hotel na Espanha, em maio de 2010. A mulher, que passa pelo segundo dia de julgamentos nesta terça, disse que cometeu o crime por medo de perder a guarda das crianças para a assistência social.
De acordo com o jornal “The Mirror”, o temor da britânica era motivado pela prisão do seu companheiro, Martin Smith, acusado de abusar de menores de idade entre 1995 e 2005. A denúncia partiu de uma filha de outro casamento de Lianne, acolhida pela assistência tutelar devido aos ataques.
Logo após a prisão de Martin, a britânica decidiu viajar com os filhos de 11 e 5 anos e os matou enquanto dormiam no hotel Costa Brava, asfixiando-os com um saco plástico. Lianne afirmou ainda que logo depois deitou ao lado dos corpos, os abraçou e caiu no sono. Ao amanhecer, chamou uma ambulância e se entregou às autoridades.
De acordo com o juiz responsável pelo caso, a mulher, que tentou suicídio na mesma noite do crime, deverá ser condenada a 38 anos de prisão. Já o companheiro de Lianne foi condenado a 16 anos em 2011 e se enforcou no início deste ano.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/brit%C3%A2nica-confessa-ter-matado-os-dois-filhos-e-dormido-ao-lado-dos-corpos.html

Mulher é acusada de deixar filha deficiente morrer de fome

Mãe é acusada de deixar filha deficiente morrer de fomeYahoo! Notícias – ter, 19 de jun de 2012

Uma mulher de 38 anos foi presa em Geórgia, nos Estados Unidos, sob suspeita de deixar morrer de fome a filha de 16 anos, que era deficiente mental. A adolescente foi encontrada morta pela polícia na última sexta-feira (15), pesando apenas 18 quilos.

Leia também:
Britânica mata os dois filhos e dorme ao lado dos corpos

De acordo com o “Mail Online”, Ebony Berry odiava a filha, Markea Blakely-Berry, porque ela nasceu prematura. Ainda de acordo com a publicação, a mulher tem envolvimento com um grupo "pró-fome" no Facebook e castigava a filha com frequência.
Vizinhos disseram que a menina já havia fugido de casa, sendo encontrada roubando comida em um supermercado. Ebony foi acusada e homicídio e crueldade contra crianças.
Imagem de Repordução do Mail Online mostra Markea Blakely-Berry e a mãe

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/m%C3%A3e-%C3%A9-acusada-de-deixar-filha-deficiente-morrer-de-fome.html

Extra! Extra! Pela primeira vez, a Feminista Lola admite que o Feminismo tem falhas!!!

Inacreditável senhores. Estou postando aqui o link do site da Lola e alguns prints que eu fiz do post dela: http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/04/como-o-feminismo-se-tornou-servente-do.html
A Feminista Lola hoje, pela primeira vez, admitiu que o Feminismo cometeu e comete erros. O Feminismo NÃO É INFALÍVEL, segundo a própria Lola:
 


Senhores, talvez muitos de você não tenham percebido a importância dessa confissão da Lola. A Lola sempre tratou o feminismo como uma doutrina sagrada inquestionável, perfeita e infalível em si mesma. Mas, a partir de agora, ela abriu a possibilidade para qualquer um questionar o feminismo: Ora, se o feminismo falhou nesse ponto, então ele pode ter falhado em outros pontos mais. É claro que nós aqui sabemos que o feminismo é um LIXO e está 99% errado. Mas as feministas nunca admitiram que o feminismo estivesse nem 1% equivocado sobre nada. Pelo contrário, elas sempre foram intransigentes na defesa fanática de todas as demandas feministas, até as mais esdrúxulas. Mas o que pode ter feito a Lolazilla dar essa guinada ideológica e admitir que o feminismo tem falhas? Será que de repente a Lola ficou honesta? Eu não creio nessa hipótese. Na minha opinião, a Lola, finalmente está caindo na realidade, depois das monumentais fubecas que as feministas acumularam desde o ano passado, com as famigeradas Marchas das Vadias, passando pelo Pagu Funk: vou cortar a sua pica e a fraudulenta pesquisa do IPEA sobre violência contra a mulher, que a Lola prontamente defendeu e depois teve que se retratar. Talvez a Lola esteja querendo recuperar um pouco da desgastada credibilidade dela. Ela mentiu tanto, de forma tão ostensiva, que agora a Lolazilla decide falar uma verdadezinha: admitir um mea culpa no feminismo e, assim, recuperar um pouco da credibilidade perdida dela junto às suas leitoras feminazis. Ela também pode estar querendo fazer o que o Gorbatchev tentou: fazer uma "Perestroika" feminista, para salvar o feminismo do colapso. Nós não podemos deixar isso acontecer. Não podemos permitir que a moderação e que o bom senso sejam sequer sugeridos para as feministas. Aliás, agora que a Feminista Lola percebeu que o feminismo precisa de moderação e bom senso, agora a Lola vai poder experimentar na própria pele dela a loucura do fanatismo feminista, porque as feministas agora vão querer linchar a Lola. Não há nada que mais ofende uma feminista do que alguém tentar fazer ela ter moderação e bom senso. A Lola vai provar o gosto do remédio feminazi que ela sempre receitou. Ela vai passar pelo que eu passei na especialização em Gênero e Raça da UFMS. Ela vai tentar fazer as feminazis terem moderação e bom senso e as feministas vão querer queimar a Lola numa fogueira por causa disso.
Como a Feminista Lola salvará o feminismo do colapso?

terça-feira, 15 de abril de 2014

Babá é acusada de matar bebê de 7 meses no Rio

Babá é acusada de matar bebê de 7 meses no RioPor Thaise Constancio | Estadão Conteúdo – qua, 26 de mar de 2014

A babá Ingrid de Carvalho Cristino, de 20 anos, é acusada de matar o bebê Paulo Henrique Cezário dos Santos, de 7 meses, na noite desta terça-feira, 25. O crime aconteceu no Morro de São Carlos, no Estácio, zona norte do Rio. Segundo o delegado assistente da 17ª DP (São Cristóvão), Othon Alves Filho, ela foi presa em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil.
Ingrid cuidava do bebê, da filha de três anos e de outras crianças, quando o menino começou a chorar por volta das 14h30. Irritada, ela bateu no menino e depois pisou no pescoço e no peito do bebê. Com a impacto, o coração e a coluna de Paulo Henrique foram atingidos.
"Ela deu duas cotoveladas no diafragma da criança, que estava na cama e caiu. Depois ela pisou no pescoço e na barriga do bebê", afirmou o delegado. Ele acrescentou que a babá não demonstrou arrependimento.
Quando chegou para buscar o bebê, por volta das 17h30, a mãe, Nathali Fernandes Cesário, de 21 anos, percebeu que havia algo errado, levou o filho para o Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), que fica na frente do morro. Paulo morreu no início da noite.
Ingrid e a filha de 3 anos acompanharam Nathali até o hospital. Lá a menina contou para duas mulheres que a mãe tinha ido a uma festa de noite e não estava conseguindo dormir com o choro de Paulo Henrique. As mulheres chamaram a polícia e ela foi levada para a 17ª DP, onde confessou o crime. Ela disse que não estava dormindo, mas que "não aguentava o choro" do bebê. A babá foi levada para um presídio feminino.
Ingrid cuidava de Paulo Henrique há quatro meses. "Era um bebê puro, que nunca fez mal a ninguém", disse o pai Luiz Henrique Soares dos Santos, de 24 anos. Santos e Nathali têm outro filho, Pedro, de 3 anos, que estava na creche quando o irmão foi morto.

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/bab%C3%A1-%C3%A9-acusada-matar-beb%C3%AA-7-meses-rio-182900323.html

Supremo indiano reconhece transexuais como "terceiro sexo"

Supremo indiano reconhece transexuais como "terceiro sexo"EFE – 7 horas atrás

Compartilhar

Índia reconhece existência do terceiro gêneroEstadão Conteúdo - 10 minutos atrás
Mais em Mundo »

Nova Délhi, 15 abr (EFE).- A Suprema Corte da Índia aprovou nesta terça-feira uma medida que reconhece os transexuais como um "terceiro sexo", ordenando o governo a reconhecê-los como tais nos documentos oficiais, informaram fontes judiciais citadas pelas agências locais.
"Os transexuais também são cidadãos deste país. É o direito de cada ser humano escolher seu gênero", disseram os juízes K. S. Radhakrishnan e A. K. Sikri durante a sentença.
O máximo organismo judicial indiano também pediu ao Executivo considerar os transexuais como um grupo "social e economicamente subdesenvolvido" e que reserve trabalho público e vagas em centros educativos para esses cidadãos.
"O espírito da Constituição é proporcionar oportunidades iguais a cada cidadão para que cresça e alcance seu potencial sem importar sua casta, religião ou gênero", explicaram os juízes durante a sentença.
Até o momento, os transexuais tinham de optar pela classificação "homem" ou "mulher" nos documentos oficiais, mas, após essa sentença do Supremo, o governo deverá emitir passaportes e carteiras de motorista que incluam o "terceiro gênero".
Além disso, a partir de agora, os transexuais também integram o sistema de "discriminação positiva" indiano, que, desde 1950, reserva postos de trabalho público e em universidades aos membros das castas baixas.
Na Índia, os transexuais enfrentam uma grande discriminação e, muitas vezes, não encontram oportunidades fora da prostituição, após serem rechaçados por suas famílias e sociedade.
A medida aprovada hoje também visa respaldar a tradição das "hijras", transexuais ou travestis que fazem parte de uma comunidade de cunho religioso.
Apesar do suposto avanço tido com essa decisão, o Supremo indiano declarou ilegais as relações homossexuais no último dia 11 de dezembro, quatro anos depois que o Tribunal Superior de Nova Délhi as legalizassem. EFE

Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/supremo-indiano-reconhece-transexuais-terceiro-sexo-122118061.html


 

Eu era uma feminista pagã, hedonista e movida pelo ódio contra os homens. Agora sou católica e quero contar a minha história

Eu era uma feminista pagã, hedonista e movida pelo ódio contra os homens. Agora sou católica e quero contar a minha história

Como encontrei a felicidade no lugar em que menos esperava

Catherine Quinn


Chrissy Long

Eu cresci sem referências a Deus nem à Igreja católica. Eu sabia que os meus avós eram católicos, mas ninguém falava disso. Eu nem sabia, na verdade, o que significava ser católico.
Por causa de um abuso terrível, fui afastada de casa aos 9 anos. Fiquei num abrigo durante um fim de semana, num orfanato durante oito meses e fui parar, depois, num lar adotivo, onde vivi até completar 12 anos.
O juizado mandou a minha mãe me buscar. Foi assim que nos conhecemos. Um dia, já morando com ela, encontrei um grupo de cristãos no parque. Eles não disseram nada. Mas me convidaram para visitar a igreja. Curiosa, eu fui. Conheci a esposa do pastor, que me falou de Jesus. Eu não sabia sequer o que era um protestante. Nem o que era o ateísmo, mas, quando cheguei em casa e falei com minha mãe sobre Jesus, descobri na hora que ela não aprovava nada que tivesse a ver com Deus. Nada.
Apesar disso, eu continuei indo à igreja. Estava encantada, muito feliz em Deus e esperançosa de superar as minhas experiências ruins em casa. Eu queria ouvir mais, não importava o quê.
Aos 14 anos, sem ideia do que estava acontecendo, me mandaram de volta para a casa do meu pai. Não pude nem me despedir dos amigos da escola e da igreja, que eu amava. Minha mãe não queria ser mãe. Era por isso que eu estava sendo mandada de volta.
Na casa do meu pai, eu não tinha igreja e não tinha mais amigos. Os abusos continuaram, agora numa escalada rumo ao abuso sexual.
Aquilo me mudou. Eu fiquei com raiva de Deus por não responder às minhas orações. Por não me ajudar. Fiquei com raiva do meu pai. Eu era novamente infeliz. Aos 17 anos, não aguentava mais. E fugi.
Conheci um grupo de pessoas que acreditavam em deuses pagãos, o que foi mais uma novidade para mim. Foi nesse grupo que eu recebi as influências da ideologia feminista.
Nunca senti com eles aquela alegria que eu sentia com Jesus, mas eles me “informaram”, intensamente, que Jesus não existia. O cristianismo era uma religião falsa, construída em cima da fé pagã, diziam eles, completando que os cristãos odeiam e impedem o poder das mulheres. Ainda de acordo com eles, os católicos eram os piores de todos os criminosos. Suas referências eram escritoras como Simone de Beavoir, Gloria Steinem, Camille Paglia, etc.
Para uma menina perdida, de 17 anos, aquele foi o início de uma longa e destrutiva espiral.
Nenhuma lei moral era verdadeira: a única diretriz ali era "não prejudique os outros, mas faça tudo o que você quiser". Só que nem isso era respeitado: tudo era permitido, mesmo que prejudicasse os outros. Não havia limites. Tudo era válido, da homossexualidade à imoralidade sexual, da contracepção ao aborto: bastava você querer. Tudo era válido, menos os estilos de vida tradicionais. Esses eram reprovados.
As mulheres não apoiavam umas às outras: rotineira e regularmente, uma passava por cima das outras, embora todas propagandeassem uma vida matriarcal. Os homens eram diminuídos. Divórcio, relações abertas e uma série de outras “opções” eram a regra. As consequências de tudo isso nunca eram nem minimamente levadas em conta. Era um paraíso hedonista, sem qualquer norma.
Somente por graça de Deus eu consegui não me envolver em muitas daquelas coisas. Mas eu via aquilo tudo o tempo todo. E, lentamente, fui acreditando na mentira, com consequências brutais não só para a minha alma, mas também para a minha saúde mental e emocional.
Aos 34 anos, depois de quase duas décadas naquela estrada, conheci os escritos de Margaret Sanger. Aquilo me deixou péssima. Eu nunca concordei com a contracepção nem com o aborto. A eugenia e a visão dela sobre as mulheres que optavam por ficar com seus filhos também se chocavam contra a minha maneira de pensar. Foi quando eu finalmente comecei a me afastar daquilo tudo.
Eu olhei para a minha vida: eu não estava feliz. Eu não estava crescendo. Eu me sentia sozinha.
Eu olhei em volta: ninguém parecia amar ninguém de verdade ali. Era um ambiente de egos inflados, de lutas internas, de cada mulher por si mesma. Comecei a questionar o ideal feminista. Eu me lembrava do meu tempo com Jesus, quando criança, e, melancólica, notava o quanto eu já tinha sido feliz apesar das circunstâncias que me rodeavam. Agora eu tinha o tal "poder", mas me sentia vazia e sozinha.
Eu tinha alimentado um ódio contra os homens, contra o patriarcado e contra tudo o que eu achava que os católicos representavam. Eu acreditava que os católicos eram opressores das mulheres. Que eles eram a pior espécie de gente. Eu tinha jurado que nunca me aproximaria deles.
Como amante de história, porém, eu me interessei por Henrique VIII. Não acreditava que uma pessoa acusada de ser tão terrível fosse mesmo completamente ruim. Ele tinha que ter alguma humanidade, não tinha? Decidi escavar até encontrá-la.
Durante aqueles estudos, descobri finalmente o que era o protestantismo, ou achei que tinha descoberto. Eu não conseguia entender como é que Catarina de Aragão, ou qualquer outra mulher que se respeitasse, tolerava o comportamento dele. Descobri que ela era e continuava católica. Mas por que ela era tão inabalavelmente fiel a uma igreja opressora que odiava as mulheres?
Continuei cavando e fiquei profundamente impressionada quando descobri os pontos de vista da Igreja católica sobre questões de justiça social, contracepção e aborto: eram idênticos aos meus. Fiquei muito surpresa ao conhecer o pensamento católico sobre Maria, sobre as mulheres e sobre a importância crucial da unidade da família tradicional. Comecei a sentir algo que eu não sei descrever. Mas eu ainda resistia. E também havia Jesus, no centro de tudo. Eu fiquei imensamente feliz ao saber que Jesus existia lá também! Nem me dei conta de que um ano se passou e que eu tinha deixado para trás os meus velhos “amigos”, graças a essas novas informações.
Decidi então descobrir o que era, de verdade, uma missa. Durante todos aqueles anos, havia no final da minha rua uma igreja católica. Eu olhava para ela de cara fechada, mas nunca tinha posto os pés lá dentro. Entrei. Eles estavam se preparando para começar a missa. Era a Páscoa de 2011. Eu olhava tudo, fascinada. Segurei as minhas lágrimas, segurei as minhas emoções, tudo guardado dentro de mim. Mas comecei a sentir aquela atração intensa mais uma vez.
Voltei para casa e continuei impactada. Até que um dia, finalmente, eu entrei num pequeno edifício atrás da igreja e fui direta em direção a uma mulher que veio me perguntar o que eu desejava. Respondi que eu precisava aprender. Ela sorriu, me disse que era a diretora de educação religiosa e me matriculou na catequese para adultos.
O pároco veio falar comigo e afirmou: "Eu nunca tinha ouvido falar de ninguém que tivesse chegado até a Igreja via Henrique VIII!". E me deu um livro para levar para casa.
As catequeses começaram e eu me apaixonava cada vez mais. Conheci meu pároco e um casal que iria me auxiliar. No lava-pés, eu chorei. Baixinho. Conheci o nosso bispo e chorei de novo.
A Igreja era o contrário de cada uma das coisas que eu sempre tinha pensado que ela fosse.
Quando eu anunciei que estava entrando na Igreja católica, meus amigos ficaram horrorizados. Minha mãe me questionou: "E por que você faria uma coisa dessas?". Mas o meu marido me deu as minhas primeiras estátuas de Maria e de São Judas Tadeu.
No dia do meu batismo, 7 de abril de 2012, eu chorei de novo, de felicidade. Passei um longo tempo sozinha com o corpo de Jesus e chorei de gratidão. Depois de todos os meus anos em busca da verdade, eu finalmente tinha encontrado a Verdade.
Antes do meu batismo, tinham me ensinado a fazer tudo o que eu quisesse. Eu passei anos vivendo com raiva, teimosamente desafiadora no meu “direito de escolher”, como feminista e pagã. Hoje, eu escolho viver como mulher batizada na Igreja de Deus. Eu ganhei uma família do tamanho do mundo. Uma família católica.
Meu marido, incrivelmente, também está participando da catequese de adultos. Minha mãe admite que existe um Deus e agora lê a bíblia. Meu filho foi batizado pelo mesmo padre que me batizou. E eu, finalmente, reencontrei o meu amigo, Jesus, na sua absoluta plenitude; na sua origem.
Aprendi o valor e a verdadeira beleza de ser mulher. No sentido mais puro, descobri o meu verdadeiro “direito de escolher”. Eu amo a minha Igreja católica. Eu amo a minha família. Eu amo a minha paróquia. Eu amo o nosso pároco. E eu sou muito, muitíssimo grata a Deus por estar, finalmente, em casa.

Fonte: http://www.aleteia.org/pt/estilo-de-vida/artigo/eu-era-uma-feminista-paga-hedonista-e-movida-pelo-odio-contra-os-homens-agora-sou-catolica-e-quero-contar-a-minha-historia-5310731725570048

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Mulher mata dois filhos com serra elétrica em Jundiaí-SP

Mulher mata dois filhos com serra elétrica em Jundiaí-SP

Uma mulher matou seus dois filhos com uma serra elétrica por volta das 15 horas desta terça-feira (7) no bairro Varjão, periferia de Jundiaí, no interior de São Paulo. De acordo com informações preliminares da Polícia Civil, as crianças tinham entre 1 e 5 anos. A mãe das crianças fugiu e até o início desta noite não havia sido localizada pela polícia.
Segundo o Terra, testemunhas teriam dito que o pai das crianças encontrou os filhos mortos quando chegou em casa, do trabalho, e teria saído à procura da mulher.
O delegado titular do 5º Distrito Policial de Jundiaí, Glauco Roberto Rufino, deve pedir nesta quarta-feira, a prisão preventiva da acusada.
Fonte: http://cabuloso.xpg.uol.com.br/morte/Mae-mata-seus-dois-filhos-com-serra-eletrica-na-cidade-de-Jundiai-SP/ foto enviado por usuário.

ADVERTÊNCIA: Se você não tem estômago forte, não clique no link da noticia, porque lá tem todas as fotos do que essa MULHER fez com os filhos. Ela arrancou a cabeça das crianças e as esquartejou. Essa mulher maldita é o exemplo dos monstros que as mulheres modernas estão se transformando.



Todo homem gosta de pornografia

 cameron diaz porn gif
Uma leitora da Feminazi Lologra Kaganovich mandou um e-mail para ela pedindo conselhos para a Lolazilla, porque a mocinha descobriu que o namorado tem muita pornografia guardada no computador. Parece piada, mas a Lolazilla respondeu, é claro, atacando o machismo e lamentando essa "exploração" que os homens machistas fazem com a pornografia. Eu nem vou comentar aqui o fato de que os JUDEUS (a Lola também é JUDIA) controlam mais de 95% da indústria pornográfica mundial.
Se a Lola tem algum problema com a nossa tara em pornografia, então ela deveria reclamar na Sinagoga, já que foi o povo dela que nos fez tomar gosto pela coisa. E além do mais, eu acho que a mocinha deveria ficar preocupada se o namorado dela NÃO GOSTASSE DE PORNOGRAFIA. Porque, convenhamos, a indústria pornográfica foi a maior invenção judaica, desde a criação do monoteísmo e do fanatismo. De vez em quanto, até os judeus acertam em alguma coisa e, na minha opinião, a indústria pornográfica foi uma grande invenção.
Suponha que nós ainda vivessemos na Idade Média. Talvez, naquela época, fizesse sentido encontrar algum homem que não gostasse de pornografia, afinal, não existia pornografia. Mas hoje em dia, com tanta putaria de graça na internet, me aparece uma FEMINAZI espantada com um homem que gosta de pornografia? Pois eu, se fosse ela, ficaria preocupada se o namorado NÃO GOSTASSE DE PORNOGRAFIA. Pois, com tanta putaria gratuita na net, só um MENTIROSO diria que nunca vê pornografia e que não gosta de ver putaria na net. Se o homem diz isso, é porque ele é um MENTIROSO HIPÓCRITA. Todo homem gosta de ver pornografia. E, se existir algum sujeito que não goste de ver mulher pelada ou pelo menos uma travesti pelada, então com certeza o cara foi castrado e não tem mais bolas.
E por falar em bolas, as minhas estão tão cheias, que estão a ponto de estourar. É que as ladainhas da Lolazilla me fazem ficar de saco cheio. Sério galera, eu preciso de umas férias da Lola. Aquele site mentiroso dela me faz mal. Eu fico doente toda vez que eu vejo a quantidade enorme de mentiras que ela publica lá. Vou ficar umas semanas sem acessar o site da Lola Baleia para ver se eu consigo restaurar o meu equilíbrio. Ao invés de acessar o site da Lologra, eu vou fazer algo mais saudável: vou acessar alguns velhos e bons sites pornôs e vou ver se a travesti Domino Presley já publicou novas fotos dela pelada.



Infelizmente, eu não tenho a sanidade mental da Lola, que sente prazer em ver imagens como a abaixo:
Quem é o doente mental e psicopata? Eu, que gosto de ver fotos de mulher pelada e de travestis; ou a Lola, que sente prazer em ver a foto de um ser humano morrendo horrivelmente queimado vivo?
 Eu sou apenas um reles mascus pervertido que gosta de ver mulher pelada e travestis peladas. Quem sabe algum dia eu consiga alcançar o nível de sanidade mental da Lola e sentir prazer em ver uma foto de um ser humano morrendo horrivelmente queimado VIVO.


domingo, 13 de abril de 2014

Mais um "mistério" desvendado pela ciência "Mulheres tem capacidade superior para traições"

Mais um "mistério" desvendado pela ciência "Mulheres tem capacidade superior para traições"

Categoria : casamento, criança, Estudo, Filhos, Fiéis, Fraude, Infidelidade, Infiéis, Mentirosas, mulheres, Paternidade, Promíscuas, Psicologia Feminina, Sociedade, Subversão Cultural, Traição às 10:41 Postado por ADM

Quase todas as mulheres que traem o companheiro/marido nunca são apanhadas, embora 1/5 dos homens seja.
Embora as infidelidades de homens famosos como jogadores de futebol encham as manchetes dos tablóides, cada vez mais as mulheres traem os parceiros, mas não são apanhadas.
Uma pesquisa recente apurou que quase 100% das mulheres que trai o parceiro nunca é apanhada, mas os homens não são tão bons a cobrir os rastos (com 17% a admitir terem sido apanhados).
A pesquisa levada a cabo num site de encontros românticos para casados, descobriu que 95% das mulheres e 83% dos homens confessou ter levado a cabo encontros ilícitos sem que o parceiro (ou a parceira) descobrisse.
UndercoverLovers.com questionou 3,000 homens e 3,000 mulheres se os seus parceiros sabiam que eles haviam sido infiéis, e verificou que em termos globais, em 89% das vezes o conjugue nunca soube de nada.
Segundo o Dr David Holmes, psicólogo na Manchester Metropolitan University, as mulheres estão a levar a cabo mais actos de infidelidade do que em qualquer outra era da história, mas elas comportam-se de forma totalmente diferente quando traem. Estudos recentes sugerem que perto de 20% dos homens e 15% das mulheres é infiel. O Dr Holmes diz:
As mulheres mentem melhor que os homens porque psicologicamente, elas são mais sofisticadas. Emocionalmente, elas planeiam as coisas e constroem estratégias, enquanto que os homens são mais impulsivos.





A grande diferença é que as mulheres são melhores a esconder os seus casos de infidelidade. Se olharmos para os dados da paternidade, mesmo usando dados conservadores, ficamos a saber que entre 8 a 15 porcento das crianças não foram geradas pelo homem que pensa que é o pai delas.
Emily Pope da Undercover Lovers, que possui mais de 650,000 membros, disse:
Muitos dos nossos membros, tanto masculinos como femininos, têm estado a namoricar há anos sem serem apanhados. Estudos já revelaram que as mulheres são melhores mentirosas que os homens, portanto não é surpresa alguma que as adúlteras sejam melhores que os adúlteros.

Fonte
* * * * * * *
Por alguma razão as sociedades mais bem sucedidas da história do Homem exerciam um controle rígido sobre a sexualidade, especialmente sobre a sexualidade feminina.
Os comentários são mais ou menos o que seria de esperar. Eis três:









Fonte: http://ensinodicas.blogspot.com.br/2012/11/superior-capacidade-para-infidelidade.html

Livro GRÁTIS: O Instituto Tavistock: Conformando o Declínio Moral, Espiritual, Político e Econômico dos Estados Unidos da América







Aprenda todos os segredos da lavagem cerebral e da Guerra Psicológica. O material do livro acima é apenas a ponta do Iceberg que nós temos no nosso Curso GRÁTIS de Guerra Psicológica contra o Feminismo.

Cliquem na imagem abaixo e se inscrevam no Curso GRÁTIS de Guerra Psicológica contra o Feminismo:

Curso de Guerra Psicológica contra o Feminismo

Livro GRÁTIS: A CHAVE DO ENTENDIMENTO DA PSICOLOGIA MASCULINA



Livro GRÁTIS: Por que os homens se casam com as manipuladoras - um guia para deixar os homens aos seus pés

Esse livro mostra a verdadeira natureza das mulheres, sem as fachadas das "boas intenções". Vejam só como essa feminista psicopata ensina às mulheres todos os truques sujos que elas podem usar para manipular os homens e obrigá-los a fazerem sempre o que as mulheres querem que eles façam. Leiam o livro e previnam-se contra essas manipuladoras.

sábado, 12 de abril de 2014

Yudi Tamashiro tenta ajudar ex-colega de ‘A Fazenda’ a sair da prisão

Yudi Tamashiro ajuda ex-colega de ‘A Fazenda’ a sair da prisãoPor Yahoo! Entretenimento | Notas TV – 7 horas atrás


Yudi vai ajudar colega de confinamento (AgNews)Yudi Tamashiro, 21, afimou que irá ajudar Marcos Oliver, 38, seu ex-colega do confinamento de "A Fazenda", que está preso por não pagar a pensão alimentícia da filha.

Leia também:
Ex- participante de ‘A Fazenda’ é preso por não pagar pensão à filhaPublicidade no “Encontro com Fátima Bernardes” vale R$ 8 milhões, diz jornal

Segundo o portal "G1", o cantor e apresentador vai doar parte do cachê de um show que fará para ajudar a quitar a dívida que o amigo tem no valor de R$ 50 mil. "Estamos contando muito com os fãs para tentar atingir o valor de R$ 50 mil, mas caso não seja possível, tentaremos organizar outro evento posteriormente", declarou o artista.
No próximo dia 23, Yudi também irá se reunir com outros participantes do reality da Record para tentar tirar o ator do polêmico "Teste de Fidelidade", do João Kléber, 56, da prisão. "Vamos nos reunir com Paulo Nunes, Andressa Urach e outros participantes para ajudar o Marcos. Tenho fé que vai dar tudo certo", declarou.
Além disso, uma advogada contratada por Yudi já cuida do caso de Oliver, que está atrás das grades desde quinta-feira (10).

Fonte: https://br.tv.yahoo.com/blogs/notas-tv/yudi-tamashiro-ajuda-ex-colega-fazenda-sair-da-164236497.html

Marcos Oliver na prisão por não pagar pensão alimenticia: "chora muito" e está desnorteado

Mulher de Marcos Oliver visita marido na prisão: 'Ele chora muito'
Fabíola Monarca contou que o ator, que foi preso nesta quinta-feira, 10, está desnorteado, mas ficou feliz com a campanha dos amigos para libertá-lo.

Aline Nobre do EGO, no Rio

382 comentários
Fabíola Monarca e Marcos Oliver (Foto: Divulgação)

Fabíola Monarca, mulher de Marcos Oliver, visitou o marido nesta sexta-feira, 11, na prisão. O ator, que participou do reality "A fazenda" e já era conhecido antes por conta do "Teste de fidelidade", foi preso na tarde desta quinta-feira, 10, em São Paulo, sob acusação de não pagar a pensão alimentícia da filha de 12 anos.
"Ele não está entendendo muito bem o que está acontecendo. Ele chora muito, mas ficou muito feliz com a comoção dos amigos em fazer a campanha para tirá-lo da cadeia. Ele sempre tentou ser um pai presente, tudo o que ele podia fazer, ele fez", contou Fabíola.
A modelo disse ainda, que o ator não pagou a pensão por estar desempregado. "Ele tinha que pagar R$ 1,5 mil por mês, mas, como estava desempregado, só estava depositando meio salário mínimo. Tinha mês que eu ajudava ele. A ex-mulher dele não quis fazer acordo e nunca deixou ele se aproximar da filha", contou.
Fabíola disse ainda que Oliver está preocupado com seus outros filhos, Daniel, 6 anos e Letícia, 12: "Ele me abaraçava muito e perguntava como ia ser com os meninos na escola, o que as pessoas iam dizer".
Marcos Oliver (Foto: Reprodução/Instagram)

Artistas fazem campanha para tirar Oliver da prisão
Comandados por Fabíola Monarca, amigos de Oliver estão promovendo uma campanha nas redes sociais e um um show em São Paulo, no dia 23 de abril, no Clube 33, para arrecadar dinheiro para pagar a dívida referente à pensão, que gira em torno de R$ 55 mil. Entre os nomes confirmados estão: Ivo Meirelles, Yudi Tamashiro, Oliver & Leo, Maloka, Karametade, Gominho, Paulo Nunes, Thaíde e Lu Schevano.
"Queremos ajudar um cara que por uma fatalidade não conseguiu pagar a pensão e está nessa situação. Estamos aqui para ajudar. O Marcão é um cara tranquilo, família, centrado, ele não é de farra, é um cara na dele. Foi uma fatalidade, poderia ter acontecido com qualquer um", disse Ivo.
Em um vídeo publicado em seu Instagram, o ator aparece atrás das grades, pedindo ajuda aos fãs. Na gravação, ele conta que foi preso por não pagar pensão à filha. Oliver participou do reality "A fazenda" e já era conhecido antes por conta do "Teste de fidelidade". "Acabei de ser preso por essa dívida, de mais R$ 50 mil. Tentei um acordo, não consegui. Não sei como vou solucionar esse problema nesse momento por estar desempregado", relatou no vídeo.
Ivo Meirelles (Foto: Reprodução/Instagram)
Fonte: http://ego.globo.com/famosos/noticia/2014/04/mulher-de-marcos-oliver-visita-marido-na-prisao-ele-chora-muito.html


Meus comentários: Ai está mais um, vítima da sociedade feminista misândrica e Matriarcal em que vivemos. Como é que um cara preso, vai conseguir dinheiro para pagar a pensão alimenticia? Nós temos que revogar o quanto antes essas leis de pensão alimenticia, divórcio e todas as leis de proteção das mulheres. Mulher não precisa de proteção especial. Ou a lei é igual para todos ou então isso é uma ditadura feminazi. Presto minha total solidariedade ao Marcos Oliver e vou lutar com todas as minhas forças para que a lei maldita que te colocou na prisão seja revogada o quanto antes.

Marcos Oliver é preso por dívida de pensão alimenticia





Marcos Oliver é preso por dívida de pensão alimentícia da filha


  • Reprodução/Instagram
    Preso, Marcos Oliver pede ajuda na internet Preso, Marcos Oliver pede ajuda na internet
O modelo e personal trainer Marcos Oliver foi detido na tarde desta quinta-feira (10) por não pagar pensão alimentícia da filha de 12 anos. Em vídeo divulgado por meio de seu perfil do Instagram, Oliver aparece em uma cela pedindo ajuda aos amigos. "Tentei um acordo e não consegui, não sei como solucionar esse problema", disse o modelo. Ainda segundo ele, o valor da dívida soma R$ 50 mil.
Procurada pelo UOL, Faby Monarca, mulher de Oliver, explicou que ele nunca foi inadimplente, "mas pagava o que podia". "Ela [a mãe da menina] quer R$ 1.500, mas ele está desempregado. Ele estava pagando R$ 300", contou.
Ainda de acordo com Faby, Oliver havia feito um contrato verbal com a mãe de sua filha e não contava que ela entraria com ação na Justiça. "Ele não merece pelo que está passando, ele é um pai de família. Ele sempre tentou um acordo, visitar a filha, mas nunca teve permissão", completou.
Afastado da televisão desde o fim do reality "A Fazenda", Faby revelou que o sonho do marido é ser ator. "Ele quer atuar, mas não consegue fechar nenhum trabalho. Ele está pintando casas e isso não é vergonha para ninguém", opinou.
Oliver está preso na 40ª Delegacia de Polícia, em Vila Santa Maria, São Paulo. "Já fui lá e levei roupas e alimentação", contou Faby. Ela espera que o modelo ganhe liberdade o mais rápido possível. Oliver é pai ainda de Daniel, de 5 anos.
Nas redes sociais, amigos de Oliver como Ivo Meirelles e Paulo Nunes estão pedindo ajuda também. Em entrevista ao "Cidade Alerta", Yudi contou que fará evento para arrecadar verba para ajudar ao amigo.
"Ele é pessoa boa e bacana, mas não está tendo oportunidade em sua carreira. Sou amigo e estou aqui para ajudar", disse Yudi. Ele ofereceu um advogado para cuidar do caso. "Acho uma tristeza isso que aconteceu com o Marcos", opinou Ivo Meirelles.

Fonte: http://celebridades.uol.com.br/noticias/redacao/2014/04/10/marcos-oliver-e-preso-por-nao-pagar-pensao-alimenticia-da-filha.htm


Publicação by Pensamento Alpha.

Padre Paulo Ricardo fala sobre Camisinha e Método Billings

A vontade de limitar o número dos filhos provém de um fato concreto ou de desejos egoístas? Como a Igreja lida com os casais que querem limitar o número dos filhos? Padre Paulo Ricardo revela qual o método contraceptivo mais seguro e indicado pela Igreja.

Feminista Lola prefere deixar empregada doméstica desempregada do que ganhando salário minimo

A Feminista Lola é uma mulher tão boa e tão solidária com as empregadas domésticas, que ela defende no site dela demitir todas as empregadas domésticas, porque segundo a Lola, é melhor para aquelas mulheres não ganharem nada, do que ganharem pouco. Vejam logo abaixo o print que eu fiz provando a inenarrável solidariedade da Lolazilla com as empregadas domésticas:

Ou seja, a Lola diz que o trabalho de uma empregada doméstica não é algo "relevante" e, como ela não pode pagar bem, ela prefere não pagar NADA para aquelas mulheres

O PAÍS DOS ESTUPRADORES INVENTADO PELO IPEA NÃO EXISTE! ERA TUDO UM ERRO.


O PAÍS DOS ESTUPRADORES INVENTADO PELO IPEA NÃO EXISTE! ERA TUDO UM ERRO. QUEM SABE, AGORA, O INSTITUTO RESOLVA PENSAR O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL!


Eu sinto muita vergonha do Ipea — e não é de hoje. Passei um pouco longe dessa história do estupro e da minissaia — e de toda a sociologice vagabunda, desinformada e rasteira que se erigiu a respeito — porque, sinceramente, há coisas que me aborrecem de tal maneira que, ao escrever sobre elas, sinto-me também algo diminuído. Agora, o instituto que foi pensado para pensar políticas estratégicas para o país vem a público para dizer que se enganou. Não!, diz a instituição, não são 65,1% os que concordam que uma saia curta justifica ataque às mulheres, mas apenas 26% — que, sei lá, deve ser mais ou menos o índice de suecos ou noruegueses que diriam o mesmo. Por que diabos o Ipea está preocupado com a minissaia e os impulsos libidinosos dos brasileiros, eis uma questão que ainda está para ser esclarecida.
Agora, sim, o número parece compatível com outros divulgados. Segundo a pesquisa (tomara que os números estejam certos), 91,4% concordam total (78,1%) ou parcialmente (13,3%) que homem que bate na própria mulher tem de ser preso. Nada menos de 70% discordam total (58,4%) ou parcialmente (11,6%) da tese de que mulher que é agredida e fica com o marido gosta de apanhar. Enormes 81,1% discordam total (69,8%) ou parcialmente (12,3%) da afirmação de que a mulher que apanha deve se calar para preservar os filhos.
Ora, esses são os números de um país moralmente civilizado — talvez até mais do que o seja, de fato. Estou entre aqueles que acham que as pessoas mentem um pouquinho quando respondem a uma pesquisa com vergonha do entrevistador; sabem qual é a metafísica influente. Mas não tenho dúvida de que a imensa maioria pensa realmente assim.
Ora, por que, então, no caso da minissaia, seria diferente? Para que 65,1% concordassem com aquela boçalidade, seria preciso contar com um expressivo assentimento das mulheres, certo? Dado que certamente não haveria 100% dos homens endossando a frase, milhões de mulheres estariam dizendo: “Sim, nós merecemos ser molestadas quando vestimos uma saia curta…”. Tenham paciência! Nem “as inimiga” de Valesca Popozuda “pensa” isso das “adversária”.
E agora? O que hão de fazer com toda a baixa sociologia que se produziu de um extremo a outro do espectro ideológico, a partir de uma informação obviamente errada. Estou furioso porque tinha enviado — achei que tinha — um e-mail a Mauro Paulino, do Datafolha, sugerindo que o instituto fizesse a mesma pesquisa. Por uma dessas fatalidades que impede a gente de passar por profeta (mesmo quando não é…), a coisa ficou no “rascunho”. Ali eu chutava: “Duvido que o resultado seja esse; é incompatível com os outros achados, e boa parcela das mulheres teria de concordar com esse absurdo”.
O diretor da Área Social do Ipea pediu exoneração. É pouco! Erro assim não é trivial. Qual foi a sua gênese? Como foi produzido? Não há revisão? Não se faz uma análise para saber se os dados são compatíveis? Não há mecanismos de controle — uma espécie de contraprova — para saber se os pesquisadores não manipulam dados? As outras pesquisas feitas pelo Ipea são conduzidas com o mesmo cuidado?
Então o país que, até havia pouco, era composto de uma maioria de potenciais estupradores passou a ser formado por uma maioria que, quando veem uma minissaia, logo pensam em penitência, em ajoelhar no milho e se punem moralmente ao menos por seus pensamentos lúbricos?
O pensamento brasileiro, na era das redes sociais, está sendo dominado por uma espécie de ente de razão composto por uma algaravia de ONGs um tanto histéricas. Os dados errados do Ipea vieram a público em meio ao movimento de caça-tarados do metrô. Também nesse caso, com milhões de passageiros sendo transportados todos os dias, alguns casos ganharam a dimensão de uma verdadeira síndrome. NÃO, EU NÃO ESTOU MINIMIZANDO NADA! QUE EXISTA UM VAGABUNDO OU UM DOENTE, SEI LÁ, QUE FAÇA ISSO, E SE DEVE TOMAR A DEVIDA PROVIDÊNCIA. Ocorre que a maximização de ocorrências esporádicas e a “pesquisa” estúpida do Ipea geraram uma falsa evidência sobre o comportamento dos brasileiros. CURIOSAMENTE, ESSA FALSA CONSCIÊNCIA COINCIDE COM OS PRECONCEITOS DE GRUPOS MILITANTES, DE SETORES MILITANTES DA IMPRENSA, DE INTELECTUAIS MILITANTES.
Não por acaso, lá foi Dilma, que agora dá “beijinho no ombro” no Facebbok, fazer proselitismo cretino no Twitter. Proliferaram as fotos “Eu não mereço ser estuprada”. No universo da linguagem e da comunicação, o interlocutor, o “outro” dessa declaração, era uma maioria de potenciais estupradores, inclusive… mulheres!!! Andei de metrô na terça-feira. Estava com uma pequena pasta. Cobri a pélvis, mas fazendo certa ginástica para manter o cotovelo num ângulo agudo; com a outra mão, tentava me equilibrar. Os trens estavam relativamente vazios. Fiquei pensando em como deve ser nas horas de pico; pensei no pânico dos inocentes. E me lembrei de uma entrevista de Bernardo Bertolucci à revista BRAVO!, há muitos anos, quando eu lá trabalhava: “O fascismo começa caçando tarados”.
Quem sabe o Ipea volte a se preocupar com questões relevantes para o desenvolvimento do Brasil! Aí aquele que adora ler o que não está escrito pergunta: “Essa questão não é relevante?”. É, sim. Para tanto, existem a Secretaria da Mulher, a de Direitos Humanos, o Ministério da Justiça — no limite, até o Ministério dos Transportes. O Ipea se ocupar disso é uma evidência óbvia de desvirtuamento e de falta de foco — justo no momento em que o comando da instituição se orgulha de ter criado a metafísica das “polícias sociais focadas”… Que nojinho eu tenho dessa conversa que tem uma patinha no neoliberalismo de manual e outra no neo-social-intervencionismo!!!
Em homenagem ao Ipea, um trecho da peça “Quem Tem Medo de Virgínia Woolf?”, do genial Edward Albee, em que a Martha, a bêbada sensata, alterca com Nick, o “cientista” babaca:
MARTHA – Ora, mocinho, você vive curvado em cima daquele seu microfone. . .
NICK - Microscópio.
MARTHA – É. . . E não vê coisa nenhuma, não é? Analisa tudo menos a maldita mente humana. Enxerga manchinhas e pontinhos, mas não sabe o que é que está acontecendo ao redor, não é verdade?
O certo seria pôr na rua a direção inteira da instituição. Por ofensa ao povo brasileiro!
Cambada de burros e irresponsáveis!

Por Reinaldo Azevedo

Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-pais-dos-estupradores-inventado-pelo-ipea-nao-existe-era-tudo-um-erro-quem-sabe-agora-o-instituto-resolva-pensar-o-desenvolvimento-do-brasil/

ShareThis

Veja também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...